sexta-feira, 13 de fevereiro de 2009

Castlevania - Symphony of the Night

É incrível a magia que certos jogos tem. Alguns deles resistem ao tempo e se tornam imortais no coração de quem os joga, não importando quantas vezes você o termine. Castlevania: Symphony of the Night é um deles.

Tendo seu primeiro game lançado em 1986 pela KONAMI, a franquia Castlevania narra, através dos séculos, a saga dos caçadores de vampiros do clã Belmont contra seu eterno inimigo, o rei dos vampiros Drácula. Tendo jogos lançados para praticamente todas as plataformas de jogos do NES para frente, a franquia é um verdadeiro clássico, difícil achar um gamer hardcore que ainda não tenha jogado pela menos um jogo da série.

A versão Symphony of the Night foi lançada em 1997, quando o Playstation ainda emergia para o sucesso. O game começa na última fase de Dracula X (um dos jogos da série lançado para o Super Nintendo). Você começa jogando com Richter Belmont, um poderoso membro do clã caçador de vampiros, e vai de cara enfretar o Conde Drácula (o diálogo que rola antes da batalha é muito legal, cheio de frases de efeito). Esta batalha é apenas uma prequência e caso seu life seja reduzido a zero, a pequena Maria, cunhada de Richter irá salvá-lo. Após derrotar o Rei dos Vampiros, Richter desaparece misteriosamente, junto com o Castelo de Drácula. Eis que alguns anos depois, o Castelo de Conde Drácula misteriosamente reaparece neste mundo (coisa que só deveria acontecer no próximo século), e Alucard, filho de Drácula, acorda de seu sono e vai investigar o q está acontecendo. Alucard é filho de Drácula com uma humana, Lisa, sendo um meio-vampiro, e foi ensinado por sua mãe a nunca odiar os humanos, acabando por se tornar um inimigo ferrenho de Drácula.

Logo ao entrar no castelo, a Morte (amiga de Drácula) retira seus equipamentos, e você tem de se virar para ir recupenado-o. O jogo cona com a participação de outros personagens, como Maria, o Bibliotecário (que vende itens para Alucard), o Barqueiro, o mago Shaft, entre outros.

O jogo segue basicamente o estilo side scrolling, mas não existem fases definidas e sim áreas a serem exploradas (sendo que existem dois castelos, um normal e outro de cabeça-para-baixo), e possui um mapa que lembra o game Super Metroid do SNES. Há também um sistema de magias (executadas com comandos similares aos de jogos de luta), dando variadas opções de ataque. Como num RPG, Alucard vai se fortalecendo durante o jogo, subindo de levels, ganhando novas armas, escudos, armaduras, itens que lhe dão habilidades novas, além de ganhar o poder de assumir novas formas (como o morcego, lobo e névoa). Além disso, pode contar com a ajuda de familiares, criaturas que ajudam Alucard e evoluem junto com ele.

Os gráficos do jogo são similares a um 16 bits, mas com cenários extremamente detalhados e efeitos poligonais (como nas magias de Alucard), tendo um charme único. Arrisco a dizer que é um dos melhores gráficos em 2D do PSX.

Outro fator que chama a atenção são as músicas. Poucos jogos têm uma trilha sonora tão gostosa de ser ouvida. Cada música combina bem com a área onde se encontra (destaque para as músicas da Entrance, Clock Tower, Coliseum e Royal Chapel). O game conta tb com uma música cantada no final, "I am the Wind", com um climinha totalmente "Celine Dion", que na minha opinião não combina com o game.

Enfim, trata-se de um game clássico. É tão gostoso explorar as áreas do jogo a procura de itens, completar os dois castelos em 100% ou simplesmente fazer Alucard subir de level que o jogo acaba parecendo curto demais.

Recomendo a quem ainda não jogou que dê uma chance ao jogo (os emuladores estão aí pra isso xD)! Abaixo, um comercial japonês do game:


3 comentários:

sanger disse...

O jogo é incrível mesmo. Mas, melhor jogo 2d do play??? Cadê o Legend of Mana? Breath of fire 4? Valkyrie Profile?
Abraços!

lucas disse...

um dos melhores jogos de todos os tempos pra mim. se nao for o melhor.

hitalo disse...

melhor jogo de ps1 ja inventado