domingo, 4 de outubro de 2009

A resposta está no coração da batalha


Ele era um lutador. Lutava profissionalmente, já há alguns anos. Construiu uma carreira aos poucos, até atingir a glória, o renome. As pessoas comentavam seu nome nas ruas, era manchete nas principais colunas de esporte. Até que um dia veio a derrota. Não foi uma derrota qualquer... aquele trágico incidente levara não só sua glória, mas seu orgulho próprio, e o fogo que havia nos olhos daquele guerreiro havia se extinguido.

Veio então a fase da fúria. Obcecado em recuperar o que perdera, o lutador iniciou uma cruzada movida pela raiva e emoções descontroladas. Seus amigos diziam que estava louco, e ele fez coisas que jamais imaginou fazer durante este período. Não mais ouvia os conselhos de seu velho treinador. Seus movimentos e golpes tornavam-se previsíveis, e com quanto mais raiva ele atacava, pior era sua derrota. Após conhecer o fundo do poço, ele voltou a si. Era tarde demais? Poderia ele voltar ao topo?

Retirou-se de cena. Durante este tempo vagou pelo mundo, buscando encontrar a si mesmo. Conseguiu pequenas vitórias, que ajudaram a acalmar um pouco seu espírito, mas o vazio em seu peito continuava. Até que finalmente, alguma coisa, que apareceu repentinamente em seu caminho, lhe deu um objetivo. Precisava lutar pelo que queria. Não como aquela cruzada furiosa, mas algo que deveria ser conquistado com paciência e trabalho duro. Procurou seu velho mestre e treinou muito. Esperou o momento certo. Teve momentos de fraqueza, pensou em desistir, pois alguns fantasmas dos erros que cometeu ainda o perseguiam. Seu mestre disse para que seguisse em frente: se fosse realmente forte, venceria e mostraria a todos sua maior vitória.

Agora, estava na hora de voltar ao combate. Aguardava seu nome ser anunciado para entrar no ringue. Não havia mais volta: se não lutasse, o remorso de não saber o que poderia ter acontecido seria maior que uma derrota. Seu peito queimava como há muito já não acontecia. A tensão daquele momento preenchia toda sua vida. Lutar. Era a única resposta para aquele momento. E ele não iria recuar!

3 comentários:

Trevo sem Folhas disse...

Me lembra a história de Anakin skywalker, um jovem habilidoso Jedi, que abandonou os sábeis conselhos de seu mestre em prol de sentimentos fúteis e perigosos, anos depois não hesitou em fazer o caminho certo de volta ao bem. Mas o caminho em direção ao deserto não é para recuperar o que perdeu, mas para encontrar a si mesmo.

Rodolfo Diniz disse...

Agora eu entendi porque praticamente no minuto em que o post foi lançado eu não entendi nada. Não alcancei esse nível de nerd ainda. Quem sabe um dia, com muito empenho! :D

Laila disse...

Só faltou a trilha sonora: Eye of the tiger, do whitesnake!