sexta-feira, 20 de novembro de 2009

O discurso dos mangás e animes - o ambiente das histórias


Trazendo a segunda parte dos meus aritigos sobre os discurso dos animes e mangás, vou falar desta vez sobre o ambiente onde geralmente ocorrem suas histórias.

Ambiente é o espaço carregado de características socioeconômicas, morais e psicológicas onde vivem os personagens. O que destacamos, nas histórias dos mangás, é um ambiente como um fator importante para o discernimos dos quadrinhos ocidentais. Os mangás funcionam também como uma válvula de escape para os problemas dos japoneses. Como diz Sonia Luyten, "uma das explicações pode ser encontrada nos personagens do mangá, que, ao contrário dos super-heróis produzidos no Ocidente, são heróis concebidos a partir do mundo real, nos quais as pessoas podem encontrar, além de uma espécie de miniatura de suas vidas, os ingredientes para vivenciar uma válvula de escape silenciosa, afeita aos japoneses que preferem reprimir e interiorizar seus sentimentos".

Ou seja, através das histórias, os japoneses podem expressar sentimentos e intenções que, normalmente, reprimem. Para isso, é necessário que as histórias se passem em ambientes com os quais eles possam se identificar, como escolas, clubes, escritórios e outros ambientes familiares aos leitores.

Um bom exemplo é a figura dos professores, que por causa do rígido sistema educacional japonês, é representado como um homem severo e, às vezes, corrupto, a quem está destinada uma punição - como o professor Akachi de Yu Yu Hakusho.

O desejo do japonês de fugir de suas vidas monótonas e cheia de regras também aparece através de fatos inusitados ocorridos nestes ambientes. O melhor exemplo disso poderia ser o anime Suzumiya Haruhi no Yuuutsu. O protagonista, Kyon, é um estudante do ensino médio que está conformado com a monotonia da vida, até que conhece Haruhi, uma garota que parece ser justamente seu oposto, em busca de criaturas sobrenaturais e alienígenas que habitem a Terra. Com a presença da garota (que, na verdade, é um ser com poderes de alterar a realidade), coisas estranhas realmente começam a acontecer, transformando a vida do pobre rapaz num verdadeiro caos.

Vale frisar que, mesmo em histórias que não apresentam o Japão como cenário principal, alguns de seus costumes ainda estão presentes, gerando assim alguma identificação com o público leitor.

Um comentário:

Rodolfo Diniz disse...

Pô muito boa a observação feita novamente. Mas dessa vez ao contrário da anterior eu já havia reparado nessa questão, já tinha esse conhecimento da "válvula de escape" que os animes são para os japoneses. Mas belo texto Markim, belos exemplos dados dos animes para mostrar o que você escreveu. Espero poder continuar tendo o prazer de vir aqui ver cada atualização, cada texto novo seu, que por mais que normalmente sejam focados em assuntos específicos sempre são muito prazerosos de ser ler. Parabéns cara.

Obs.: É o 3º Blog que eu leio hoje e é o 1º que eu gosto do conteúdo, até no da Laila, de forma inédita, eu critiquei ela pelo que ela escreveu...rs